Eles descobrem que um buraco negro tem um comportamento diferente do resto
16/09/2019 09:01 em Tecnologia

O buraco negro no centro da galáxia GSN 069, localizada a cerca de 250 milhões de anos-luz, apresenta uma variabilidade sem precedentes na emissão de raios-X, um novo fenômeno que ajudará a entender aspectos intrigantes deste tipo de áreas, de acordo com a natureza.

 

O estudo, cujo autor principal é Giovanni Miniutti, do Centro de Astrobiologia de Madri (CAB, CSIC-INTA), foi preparado com observações do mais poderoso observatório de raios-X, o telescópio XMM-Newton da Agência Espacial Europeia (ESA) ) e o telescópio Chandra da NASA.

 

O XMM-Newton, em dezembro passado, detectou flashes periódicos de radiação de raios-X do buraco negro nunca antes visto.

 

 

O aumento no brilho ocorreu repentinamente para reduzir aos níveis normais em uma hora e voltou nove horas depois, um fenômeno que os autores do estudo chamaram de "erupções quase periódicas" (QPEs).

 

"Não esperávamos encontrar algo assim", disse Miniutti em comunicado do Conselho Superior de Pesquisa Científica (CSIC), e que os buracos negros piscam regularmente como uma vela, mas as mudanças rápidas e repetitivas vistas no GSN 069 de Dezembro "é algo completamente novo".

 

Miniutti lembra que "o primeiro pensamento foi que os detectores XMM-Newton estavam enfrentando algum tipo de problema, mas depois de fazer muitas verificações" eles se convenceram de que não era assim.

 

 

Dado o interesse da descoberta, novas observações foram feitas em janeiro e fevereiro, confirmando que o buraco negro ainda mantinha a cadência das explosões e "de fato, poderia continuar mantendo esse ritmo neste momento", diz Miniutti.

 

Embora ele esclareça que "talvez não seja o termo certo no momento: a galáxia está longe, o que significa que cada batida que detectamos agora realmente ocorreu cerca de 250 milhões de anos atrás".

 

Este evento irá - indica a nota - melhorar a compreensão de alguns dos aspectos mais intrigantes associados à acumulação (crescimento por adição de matéria) de buracos negros e fornece uma estrutura para interpretar a rápida variabilidade de uma população crescente de núcleos Ativo galáctico (AGNs).

 

 

As erupções quase periódicas observadas no buraco negro do GSN 069 são um fenômeno tão novo que sua origem física ainda precisa ser identificada.

 

O pesquisador do Centro de Astrobiologia indicou que eles já levantaram algumas explicações, duas "são particularmente interessantes e devem ser estudadas em profundidade".

 

A primeira é a instabilidade do fluxo de acreção na zona interna ao redor do buraco negro, algo que nunca foi observado até agora nos AGNs e a segunda seria a interação do buraco negro com um corpo secundário.

 

 

"As observações e estudos teóricos realizados a partir de agora serão cruciais para entender a origem física dos QPEs", conclui Miniutti. E

 

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!